Por Vinícius Baldin

Em sua reta final na preparação para a Copa do Mundo do Catar, que será no final do ano, a Seleção Brasileira está um pouco diferente da que se preparava e disputou o Mundial da Rússia, em 2018. O time de Tite, desta vez, não depende mais tanto de Neymar. Tem agora mais opções no setor ofensivo como Vinicius Junior, Lucas Paquetá, Richarlison, Antony e Raphinha, além dos “veteranos” Philippe Coutinho e Gabriel Jesus.

Na goleada por 5 a 1 sobre a Coreia do Sul, em Seul, o Brasil mostrou uma boa variação de jogadas ofensivas. Neymar fez seus gols – dois em cobranças de pênalti -, mas teve grande ajuda de seus companheiros. A movimentação constante dos meias, dos atacantes e até do lateral esquerdo Alex Sandro – outro grande destaque do amistoso – propiciaram inúmeras oportunidades de gol para a Seleção. Foi um bom volume de jogo, mesmo contra um rival que não se destaca defensivamente.

O próprio Tite falou sobre a forma como Neymar e a seleção jogam agora, facilitando as coisas para o craque do Paris Saint-Germain. “Neymar é arco e flecha, conforme as circunstâncias do jogo. Ele tem essa capacidade. No PSG, jogando mais atrasado em relação a Mbappé e Messi. Aqui, ele fica mais premiado, mais flecha, a equipe trabalha em função de dar criatividade a ele nesse aspecto. Temos equipe solidária”, disse o treinador após a vitória em Seul.

Para a sequência da preparação, Tite terá de lidar com problemas bons pela frente. Um deles é encaixar Vinicius Junior na equipe titular. Campeão da Liga dos Campeões da Europa com o Real Madrid há alguns dias, o atacante está em grande fase. Espera-se que ele se mantenha assim mesmo após o período de férias do futebol europeu.

O que o Brasil precisa ter mais atenção é na parte defensiva. Contra a Coreia do Sul, mesmo com jogadores experientes, a defesa falhou algumas vezes, inclusive no gol sofrido. O lateral direit Daniel Alves tomou algumas bolas nas costas e o zagueiro Thiago Silva perdeu uma jogada na qual o atacante sul-coreano fez o pivô em cima dele e conseguiu girar o corpo para finalizar. Erros como esse podem ser fatais em uma partida de Copa do Mundo.

O post Análise: Brasil mostra variação de jogadas e demonstra que não precisa depender tanto de Neymar apareceu primeiro em Gazeta Esportiva.