“Piada”, “Noite de caos”: a imprensa europeia usou duras palavras para criticar a organização da final da Champions da Europa, marcada por incidentes nos arredores do Stade de France, em Paris.

Mais do que a derrota do Liverpool, os veículos britânicos repercutiram as falhas na segurança antes do jogo e as dificuldades que os torcedores enfrentaram para entrar no estádio, o que atrasou o início da partida em 36 minutos e provocou momentos de tensão nas filas de acesso.

O tabloide The Sun usou a manchete “Stade de Farce” (“Estádio de Piada”, em francês) e relatou o testemunho do irmão do zagueiro dos ‘Reds’ Joel Matip, Marvin, que teve que se refugiar em um restaurante nos arredores do estádio com sua mulher grávida para evitar os efeitos do gás lacrimogênio utilizado pelas autoridades para conter a confusão.

Por sua vez, o Telegraph publicou um relato de Jason Burt, chefe da área de futebol do jornal: “Estava em frente ao portão quando fui alcançado pelo gás lacrimogênio lançado indiscriminadamente pela polícia francesa no estádio”.

“Conversava com torcedores que esperavam tranquilamente, alguns durante três horas, quando senti o gás no rosto, nos olhos, na boca. Não podia acreditar (…) foi vergonhoso”, escreveu o jornalista em uma crônica.

– ‘Precisam se desculpar’ –

Ressaltando os “funis” para os quais os torcedores do Liverpool foram encaminhados e os procedimentos de organização “insuportavelmente lentos”, Burt considera que é “uma vergonha a Uefa ter acusado os torcedores de terem chegado tarde. É simplesmente falso. Tentaram emitir sua versão. Agora precisam se desculpar”.

Pelo lado espanhol, o destaque foi o 14º título europeu do Real Madrid. O jornal esportivo Marca usou o trocadilho “Decimocurtuá”, em referência à grande atuação do goleiro belga Thibaut Courtois.

“Com nove defesas, Courtois foi o herói indiscutível da final”, ressaltou o jornal de maior circulação na Espanha.

A imagem do goleiro estampou todas as capas da imprensa esportiva espanhola. “Courtois dá Champions ao Real Madrid”, publicou o jornal catalão Mundo Deportivo, com uma grande foto do belga segurando a taça.

Mas os incidentes da noite também tiveram espaço na imprensa da Espanha.

– ‘Hordas de bárbaros’ –

Alfredo Relaño, presidente de honra do jornal As e voz respeitada no futebol espanhol, se mostra severo em um editorial, denunciando o Liverpool e “suas hordas de bárbaros sem ingresso” que “armaram uma confusão considerável nos portões que poderia ter causado uma catástrofe, mas felizmente tudo terminou com o atraso do início do jogo”.

“Mas estes atos não podem passar sem punição”, acrescentou.

“Vergonha: a final começou com 36 minutos de atraso por uma bagunça nos acessos” ao estádio, escreveu o jornal catalão Sport.

A imprensa alemã também repercutiu as falhas de organização da Uefa. “A noite do caos”, escreve o jornal Bild, para quem a derrota do Liverpool foi “a mais amarga de Klopp”, treinador dos ‘Reds’.

Na Itália, foi dado destaque à quarta conquista de Champions do “imperador” Carlo Ancelotti (Corriere dello Sport).

“Outro jogo perfeito, pelas decisões, a gestão e a preparação. (Ancelotti) É o primeiro a ganhar quatro Ligas dos Campeões. Uma grande temporada, um orgulho italiano, obrigado Carlo!”, ressalta a Gazzetta dello sport.

O Corriere dello Sport também comentou sobre o “fiasco da organização” parisiense.

“Uma noite ruim para encerrar uma triste temporada para a França, onde os problemas de segurança e ordem pública nos estádios se multiplicaram”, escreve o jornal romano.

O post Imprensa europeia repercute “caos” antes da final da Champions apareceu primeiro em Gazeta Esportiva.